Telemedicina – O que é telemedicina e como funciona

A telemedicina pode ser definida como o uso de meios de comunicação eletrônica para a transmissão de informações e dados médicos de um local a outro, com o objetivo de estender serviços de saúde de centros especializados para regiões que não possuem assistência médica satisfatória. Mas devido a pandemia esse conceito se ampliou. 
Publicado em:
Telemedicina

Índice

Telemedicina entrou definitivamente na agenda global e ganhou grande visibilidade a partir do advento da pandemia da COVID-19. Porém, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde, os projetos de telemedicina entre a União Europeia e América Latina, se iniciaram em 2003.

Médico Em Telemedicina Asq
Telemedicina

Em um breve resumo histórico, a telemedicina data do ano de 1967, quando o Hospital Geral de Massachusetts foi ligado ao aeroporto da cidade de Boston, com o objetivo de atender qualquer emergência que ocorresse no aeroporto a partir do Hospital. Por outro lado, o Hospital receberia informações básicas de um indivíduo que tivesse um problema grave no aeroporto e precisasse ser levado de ambulância. Esse é um marco importante na história da Telemedicina. A partir desse fato, ocorreram outras experiências isoladas.

Telemedicina no Brasil

Família Em Telemedicina Asq
Telemedicina No Brasil

Conforme o Departamento de Patologia da Universidade de São Paulo – USP, a Telemedicina foi a especialidade médica que mais cresceu no mundo. Há no site da instituição uma linha do tempo de como a telemedicina passou a ser aplicada no Brasil.

• 1985 – Surge a Disciplina de Informática Médica da Faculdade de Medicina da USP.

Médica Da Faculdade De Medicina Da Usp
Médica Da Faculdade De Medicina Da Usp

De 1994 a 2000, as iniciativas foram isoladas, sem coordenação. Não havia interesse do governo. Não havia a percepção da revolução digital. Neste período (2000) houve preocupação com redes e salas de teleconferência.

Iniciou-se a teleducação na área médica e de saúde pública, as teleconferências médicas com o exterior, em geral para pacientes da rede privada, a teleletrocardiografia, por fax e depois pela Internet em setores públicos e privados. Minas Gerais, Pernambuco, Santa Catarina e São Paulo foram os primeiros estados brasileiros a se engajarem com telemedicina.

• 1994 – Uma empresa privada começou a fazer diagnósticos de eletrocardiografia por fax.

Eletrocardiografia Por Fax
Eletrocardiografia Por Fax

• 1995 – O InCor do Hospital das Clínicas também começou a fazer diagnósticos de eletrocardiografia por fax.

Incor Do Hospital Das Clínicas
Incor Do Hospital Das Clínicas

A partir de 1995, ocorreram teleconferências e telediagnósticos. A Rede Sarah de Hospitais interligou as suas unidades do Distrito Federal, Bahia, Minas Gerais e Maranhão, para fins de telediagnóstico e teleconferência.
Nas Universidades, a Telemedicina e a Telessaúde começaram um pouco depois. Na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, a Disciplina de Telemedicina foi inaugurada em 1997.

• 1997 – O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, inventou a Rede Municipal de Alta Velocidade para estimular as universidades a desenvolverem comunicações. No caso das universidades da área da saúde, para o desenvolvimento de Telemedicina e Telessaúde. Várias universidades assinaram contrato em 1998 e 1999 para iniciarem suas atividades.

Conselho Nacional De Desenvolvimento Científico E Tecnológico - Cnpq
Conselho Nacional De Desenvolvimento Científico E Tecnológico – Cnpq

• 1999 – O Hospital Sírio Libanês começou a fazer teleconferência com o exterior para resolver casos complicados.

Hospital Sírio Libanês
Hospital Sírio Libanês

• 1999 – A UNIFESP inaugurou o seu Departamento de Informática e Telemedicina e participou de forma vigorosa no desenvolvimento da Telemedicina nacionalmente.

Unifesp
Unifesp

• De 2000 a 2003 cresceu o interesse pela Telessaúde. Surgiram redes e salas de teleconferência em toda a parte, porém sem tráfego expressivo (apenas nove estados). Houve iniciativas isoladas de teleducação nas áreas médica e de saúde pública, como a telepatologia. A FMUSP transmitiu on-line autópsias para várias faculdades do país.

Log Fmusp
Fmusp

• A Telemedicina não prosperou nos setores privados por falta de regulamentação do reembolso pelos serviços prestados.

• 2001 – ITMS (Empresa Suíça com filial em Minas Gerais) se dedicou ao diagnóstico de cardiopatias, lendo eletrocardiogramas de qualquer município brasileiro que quisesse enviar o exame para Uberlândia (MG).

• O Conselho Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde foi fundado em 2002.

• De 2003 a 2013, surgiram redes e salas de teleconferência em todas as partes do país. A Teleducação existia na maioria dos estados, não como disciplina. Eram frequentes as teleconferências médicas dentro e fora do país. Cresceu a teleassistência em todo o Brasil, porém não atendeu as necessidades do país.

• Em 2005, o Brasil foi sede do 10º Congresso da Internacional Society for Telemedicine and Health e, na mesma ocasião, foi realizado o 2º Congresso do Conselho Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde. O CNPq lançou o programa “Institutos do Milênio”. O Governo mostrou interesse pela Telemedicina e Telessaúde, formou comitês, em Brasília, dos Ministérios da Saúde, da Educação e das Comunicações, criou a RUTE (Rede Universitária de Telemedicina), liberou recursos e estimulou o crescimento da Telemedicina e Telessaúde.

10º Congresso Da Internacional Society For Telemedicine And Health Brasil
10º Congresso Da Internacional Society For Telemedicine And Health Brasil

• A RUTE iniciou-se em 2006. Havia 78 núcleos em operação e a estimativa de que mais 80 entrariam em operação até o final de 2013.

Telemedicina na pandemia

Adotada em caráter emergencial na pandemia da Covid-19, a telemedicina veio para ficar e ampliar o acesso à saúde. Em março de 2020, o Ministério da Saúde publicou uma portaria que regulamentou a telemedicina. A portaria previa o exercício da medicina por meio da utilização de metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados, com o objetivo de prestar assistência e educação e incentivar a pesquisa em saúde.

Com uma parcela da população em casa, o uso de tecnologias interativas, como vídeos e aplicativos, se impôs como recurso fundamental e alternativa segura para proteger tanto a saúde dos médicos como a de pacientes. Mais que um recurso para resolver um problema pontual, muito importante naquele momento para reduzir a sobrecarga de unidades de saúde e evitar a circulação de pessoas, a portaria abriu caminhos para consolidar a telemedicina como uma prática que pode garantir de forma mais permanente a ampliação do uso da tecnologia em saúde.

Antes da pandemia, o Conselho Federal de Medicina (CFM) não permitia essa modalidade de atendimento por entender que a consulta presencial sempre terá mais valor que a consulta à distância. Em ofício encaminhado para o Ministério da Saúde, em março de 2020, o CFM admitiu a prática em caráter de excepcionalidade e apenas enquanto durar o enfrentamento ao novo coronavírus.

Telemedicina regulamentada

A portaria do Ministério da Saúde foi suficiente para pressionar o conselho que, até então, relutava em adotar essa forma de prestação de serviços.

No inicio deste mês, o Conselho Federal de Medicina divulgou as normas que regulamentam a telemedicina no país, a norma foi publicada no dia 05 de maio no Diário Oficial da União e já está vigente.EbcEbcA resolução estabelece que a telemedicina é o “exercício da medicina mediado por Tecnologias Digitais, de Informação e de Comunicação (TDICs), para fins de assistência, educação, pesquisa, prevenção de doenças e lesões, gestão e promoção de saúde”, podendo ser realizada em tempo real on-line (síncrona) ou off-line (assíncrona).

De acordo com o CFM, a norma assegura ao médico devidamente inscrito nos Conselhos Regionais de Medicina a autonomia de decidir se utiliza ou recusa a telemedicina, indicando o atendimento presencial sempre que entender que seja necessário. Essa autonomia está limitada aos princípios da beneficência e não maleficência do paciente e em consonância com os preceitos éticos e legais.

A norma também prega que os dados e imagens dos pacientes que estejam no registro do prontuário devem ser preservados, obedecendo as normas legais e do conselho, para que se assegure o respeito ao sigilo médico. “Isso inclui a guarda, o manuseio, a integridade, a veracidade, a confidencialidade, a privacidade, a irrefutabilidade e a garantia do sigilo profissional das informações”, diz o CFM.

A resolução indica que o atendimento deve ser registrado em prontuário médico físico ou no uso de sistemas informacionais, em Sistema de Registro Eletrônico de Saúde (SRES) do paciente, atendendo aos padrões de representação, terminologia e interoperabilidade.

Os dados obtidos numa conversa inicial com o paciente sobre sua vida e preparatórios e os resultados de exames complementares, além da conduta médica adotada, relacionados ao atendimento realizado por telemedicina, também devem ser preservados com o médico responsável pelo atendimento.

“A resolução estabelece que o paciente ou seu representante legal deve autorizar o atendimento por telemedicina e a transmissão das suas imagens e dados por meio de consentimento livre e esclarecido, enviados por meio eletrônico ou de gravação da leitura do texto e concordância, devendo fazer parte do SRES do paciente”, explicou o CFM.

De acordo com a norma, se o relatório for emitido a distância, deve conter identificação do médico (nome, número do registro no CRM e endereço profissional do médico, identificação e dados do paciente, data, hora e assinatura do médico com certificação digital do médico). “Além disso, os dados pessoais e clínicos do teleatendimento médico devem seguir as definições da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e outros dispositivos legais quanto às finalidades primárias dos dados”.

Segundo a resolução, o atendimento a distância poderá ser realizado por meio de seis diferentes modalidades:

  1. Teleconsulta (consulta médica não presencial);
  2. Teleinterconsulta (quando há troca de informações e opiniões entre médicos, com ou sem a presença do paciente, para auxílio diagnóstico ou terapêutico);
  3. Telediagnóstico (emissão de laudo ou parecer de exames, por meio de gráficos, imagens e dados enviados pela internet);
  4. Telecirurgia (quando o procedimento é feito por um robô, manipulado por um médico que está em outro local);
  5. Televigilância (ato realizado sob coordenação, indicação, orientação e supervisão de parâmetros de saúde ou doença, por meio de avaliação clínica ou aquisição direta de imagens, sinais e dados de equipamentos ou dispositivos agregados ou implantáveis nos pacientes);
  6. Teletriagem (realizada por um médico para avaliação dos sintomas do paciente, a distância, para regulação ambulatorial ou hospitalar).

 

Telemedicina SC

A implantação dos Programas de Telessaúde em Santa Catarina tem desempenhado um papel extraordinário, pois a melhoria dos serviços oferecidos às regiões remotas permite reduzir as horas de deslocamento dos cidadãos fora dos centros urbanos, melhorando a eficiência, a prestação de serviços e a contenção de custos.

Nas últimas décadas, o desenvolvimento da infraestrutura de telecomunicações facilitou várias formas de serviços de telecomunicações, incluindo telefone, videoconferência, comunicação de dados, etc. disponível online. Os médicos agora têm ferramentas e técnicas para realizar diagnósticos, tratamentos e cirurgias usando métodos modernos de digitalização e tecnologias computadorizadas.

 

Telemedicina na AsQ

Mais de 90% dos problemas corriqueiros de saúde podem ser resolvidos por uma consulta médica. A Telemedicina promove o acesso rápido e prático do seu colaborador ao médico de referência, diminuindo o absenteísmo, aumentando a resolutividade dos casos e contribuindo para a redução dos custos assistenciais da sua empresa, contemplando elementos do VBHC (Value Based Health Care), mensurado no percurso dos atendimentos online.

A AsQ tem cases de sucesso na aplicação da telemedicina.

Qual a diferença de telemedicina e telessaúde?

Telessaúde
Telessaúde

A tecnologia de hoje permite que os médicos forneçam assistência remota por meio de dispositivos de telecomunicações a pacientes em qualquer lugar do mundo. Os serviços de telemedicina permitem que a equipe médica ajude pessoas doentes onde quer que estejam.

A telessaúde é a expansão e melhoria dos serviços médicos com a ajuda de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) em um contexto geral, já a telemedicina está inclusa da telesaúde.

A telemedicina é a prática de cuidados de saúde prestados através de redes de telecomunicações. A telemedicina refere-se ao uso da telemedicina para fins relacionados à saúde, como fornecer aconselhamento ou atendimento médico, diagnosticar e tratar doenças ou monitorar as condições dos pacientes.

 

Fontes:

https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-05/cfm-regulamenta-telemedicina-no-brasil

http://informe.ensp.fiocruz.br/noticias/50973

 

 

Compartilhe esse post!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no skype
Compartilhar no reddit
Compartilhar no pinterest

Assine nossa

Newsletter!

Veja os

Destaques

Saúde: o novo oceano azul
Saúde do colaborador é diferencial competitivo para empresas
Telemedicina
Telemedicina - O que é telemedicina e como funciona
A enfermagem no cuidado integral à saúde
A enfermagem no cuidado integral à saúde

Siga-nos nas

Redes!