Blog

AsQ promove série de eventos sobre inovação na saúde

Publicado em:

Na última quinta-feira, ocorreu o AsQ Health Tech, a primeira edição de uma série de eventos online, promovidos pela AsQ com o objetivo de debater sobre temas relacionados à tecnologia e inovação na área da saúde. O primeiro evento abordou o tema: RH e a LGPD – como ficam os dados da saúde, que teve o objetivo de debater sobre como a área de recursos humanos deve agir e tratar os dados de seus colaboradores. O lançamento contou com a palestra de Paulo Silva, diretor de consultoria da Tracker Segurança da Informação. Paulo tem mais de 15 anos de experiência em consultoria e auditoria em gestão de segurança da informação, gestão de tecnologia e gestão da privacidade da informação.

 

A LGPD não veio para barrar processos lícitos

 

De acordo com Paulo, mais do que evitar que os dados vazem, é importante saber como tratar todas as informações. Ele afirma que geralmente tratávamos esses dados de maneira informal e agora passamos a tratar de maneira formal. “A LGPD não veio para barrar processos lícitos, ou seja, se eu formalizar o que eu vou fazer com essas informações e desde que não seja algo ilegal, isso pode ser feito. Além disso, é importante pensar sempre no consentimento dos colaboradores”.

 

Após a palestra, os participantes puderam conferir um painel de discussão que além da presença de Paulo, contou com Bernardo Rachadel, gerente de TI na AsQ, administrador e mestre em engenharia mecânica pela UFSC; Carla Biagioni, diretora técnica na AsQ, médica ginecologista e gestora em operações de saúde e Cláudia Conserva, diretora de gente e gestão e psicóloga com especialização em gestão de pessoas pela Fundação Dom Cabral. No chat, muitas perguntas chegaram e uma delas tratou sobre como os dados devem ser resguardados. “A LGPD gera a necessidade de se implantar uma governança de dados. Vemos muitas empresas fazerem colcha de retalhos, com uma série de ações desconexas entre si. Com a governança tudo passa por etapas para que nada fique de fora ou seja feito de forma errada: assim, temos a relação de todas as atividades com dados médicos, depois as bases legais, aí na governança verificamos os sistemas utilizados. Isso levanta os problemas e elimina os riscos”, aponta Paulo.

 

E quando o vazamento de dados acontece

 

De acordo com o especialista, em primeiro lugar, a empresa que se preparou tem que ter a boa fé de emitir os avisos necessários. O palestrante cita ainda o exemplo de um evento em que participou com líderes da Europa. Um dos líderes disse o seguinte: “as empresas não estão levando multa porque o dado vazou, mas pela ausência de controle que gerou o vazamento”. Por isso, é tão importante que todas as instituições passem a cuidar das informações que têm em mãos.


A discussão está imperdível e você pode assistir na íntegra, clicando aqui. E fique atento as nossas redes sociais, onde divulgaremos a data e os convidados do próximo AsQ Health Tech, que abordará o tema: Gamificação na saúde – a inovação no estímulo ao autocuidado. Fique por dentro de todos os eventos e novidades no nosso grupo do Telegram exclusivo para eventos e conteúdos: aqui!

Compartilhe esse post!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no skype
Compartilhar no reddit
Compartilhar no pinterest

Assine nossa

Newsletter!

Veja os

Destaques

Síndrome de Burnout
Burnout - Organização Mundial da Saúde muda a classificação da síndrome em 2022
Cuidados com a pele no verão
Cuidados com a pele devem ser redobrados no verão.
O médico de família também tem um dia em sua homenagem

Siga-nos nas

Redes!

Fale conosco!

Quer saber mais sobre as nossas soluções de acordo com a sua necessidade?